Condomínios Security Monitoring Service Scaled

Condomínios seguros – quais cuidados tomar!?

O tema segurança pública é frequente no país, nem a pandemia e o isolamento social mudou isso, basta acessar os sites de notícias para observar situações praticamente calamitosas. Sendo resultado de anos de descaso governamental frente a esse importante tema, e nem condomínios estão isentos do problema.

Como solução a sociedade civil se viu obrigada a buscar alternativas, dentre as quais uma que se consolidou em nosso cenário urbano são os condomínios de mais variados estilos, como os habitacionais e os comerciais. Entretanto mesmo esses espaços passaram a ser alvo de bandidos, o que faz com que seja cada vez mais fundamental uma estrutura profissional.

Mas, como o condomínio deve agir para garantir a segurança dos condôminos? Segundo Felipe Bonavite da Bonavite e Carvalho Administração de Condomínios, são vários caminhos, “Destaco alguns pontos importantes: alinhar com tecnologias que facilitem o trabalho, juntamente com um processo bem intenso de conscientização do próprio morador referente as normas de segurança”, explica.

Lembrando que existem casos que invasões são culpa do condomínio e outras não. “No caso de uma invasão, fruto de um despreparo de seus colaboradores, o condomínio tem total responsabilidade civil, porém caso o morador tenha dado causa ao advento na medida de sua responsabilidade o morador será imputado”, explica.

Por isso a importância de políticas e para isso é importante um bom regimento interno, que ajuda muito ao apoio sobre políticas de segurança, mas o primordial para que exista uma política eficaz é o engajamento da empresa de segurança, com tecnologias de auxílio e a colaboração dos próprios moradores.

Felipe Bonavite explica que sempre o caminho melhor é a prevenção seguindo os protocolos, regimento, respeitando a triagem, atualizando o cadastro sempre que for necessário. Ele também detalha os principais erros dos condomínios:

Portaria Moradores
deixar subir sem identificar visitante ou prestador de serviço não usar reconhecimento facial, digital ou tag
não ter lista de visitante em festa deixar o portão aberto para outro que está entrando
rondas que não sejam atentas não ter pulseira para identificar visitante em festa
Não ter regras claras de acesso e de segurança Contratar profissionais que não são de confiança

Lembrando que existem diferenças entre condomínios comerciais e residenciais, sendo que em condomínios comerciais a gestão é mais complexa, por envolver mais movimentação, o que demanda cuidados especiais. Necessita de uma gestão mais preparada, principalmente na segurança, já que diferente dos residenciais, nos comerciais não são sempre os mesmos frequentadores.

Cuidados na terceirização

O caminho que a maioria dos condomínios tomam é a terceirização da portaria e da segurança, o que minimiza trabalhos como contratação e administração e pode gerar para a contratante novas tecnologias e bons retornos. 

Mas segundo Gabriel Borba da GB Serviços, tem que se tomar cuidado na hora de terceirizar buscando uma empresa realmente qualificada. “A empresa terceirizada deve fazer um levantamento técnico e identificar os pontos vulneráveis do local, sugerir soluções como normas e procedimentos, efetivo e segurança eletrônica”, explica

O sócio da GB Serviços complementa que a terceirizada deve dar suporte em vários setores, auxiliando no desenvolvimento de normas e procedimentos bem definidos e claros. “Também é imprescindível que forneçam equipes bem treinadas, tendo supervisão e acompanhamento através de câmeras e outros sistemas”.

É importante lembrar que recentemente se teve vários casos de terceirizados que não estavam bem treinados e realizaram ações totalmente desastradas e que prejudicou a todos”, reforça Gabriel Borba. 

Lembrando que a área de atuação de uma terceirizada são as dependências do local do condomínio, fazendo um trabalho interno e de prevenção e controle. Não podendo realizar de ações externas, investigativas ou policiais.

É importante na hora de contratar avaliar se o treinamento aos profissionais é realmente bem rigoroso, com cursos técnicos, profissionais que já tenham atuado no segmento, atestando de antecedentes criminais e uma postura bem profissional. Reforçando que atualizações e capacitações constantes são fundamentais 

Seguro – quesito obrigatório

A contratação de um seguro para condomínio é obrigatória e de inteira responsabilidade do síndico, conforme especificado no artigo 1.346 do Código Civil. “Além de garantir o empreendimento contra incêndio, explosão de qualquer natureza, entre outros incidentes que podem comprometer a estrutura do prédio, o seguro para condomínio evita que o síndico seja responsabilizado civil ou criminalmente por omissão, imperícia ou negligência em caso de acidentes por falta deste item”, explica Cristina Camillo, diretora da Camillo Seguros.

Ela explica que, em geral, as instalações cobertas são: áreas comuns, unidades autônomas e equipamentos pertencentes ao condomínio. Porém, alguns eventos costumam ser contemplados na contratação da cobertura obrigatória, como por exemplo:

  • Raio e explosão;
  • Queda de aeronaves;
  • Impacto de veículos;
  • Quebra de vidros;
  • Desastres naturais (alagamento, vendaval, tornado, granizo etc);
  • Problemas elétricos;
  • Ações criminosas (roubo e furto de bens do condomínio, dos moradores etc);
  • Responsabilidade civil.

“Além dessas coberturas, alguns seguros oferecem ampla cobertura, incluindo proteção de equipamentos móveis, acidentes pessoais de funcionários (morte acidental e IPA), despesas fixas, perda ou pagamento de aluguel para condôminos, desmoronamento etc. Para isso, o síndico deve fazer a contratação de coberturas adicionais”, acrescenta.

Geralmente, a contratação ou renovação do seguro para condomínio residencial é realizada pelo síndico nos primeiros meses do ano. Dessa forma, é possível prever o custo no orçamento anual e submeter à análise dos moradores para sua aprovação durante assembleia geral ordinária, que tradicionalmente ocorrem nessa época do ano.

Uma orientação é que, antes de contratar ou renovar a apólice do seguro, o responsável pela gestão condominial deve avaliar as principais necessidades do prédio e buscar pela contratação de uma apólice de seguros que atenda todas elas. Isso porque a contratação da garantia básica é obrigatória por lei e é uma das maiores responsabilidades do administrador de um prédio. No entanto, durante a sua renovação é importante que o síndico avalie se a cobertura contemplada no seguro do condomínio continua sendo satisfatória para garantir a segurança do empreendimento e dos condôminos.

“Dependendo da avaliação realizada, o síndico pode constatar a necessidade de fazer a contratação de coberturas adicionais, não obrigatórias. Algumas seguradoras oferecem coberturas adicionais que podem ser agregadas à apólice para evitar prejuízos financeiros ou a judicialização do condomínio em decorrência de acidentes. A garantia acessória de responsabilidade civil é um exemplo de cobertura que pode ser adicionada à apólice para garantir que assegura o condomínio contra danos pessoais ou materiais causados involuntariamente a terceiros”, detalha Cristina Camillo.

Vale ressaltar que os valores contratados para cada cobertura deverão repor os prejuízos do condomínio caso tenha a ocorrência de um sinistro. “Estes valores e as coberturas contratadas deverão estar em coerência com o valor do patrimônio do prédio. Caso seja contratado com valores abaixo do valor do patrimônio, implicará em diversas penalidades ao síndico do condomínio e até mesmo ao corretor da apólice”, diz a especialista. “Além disso, se o condomínio contratar uma importância segurada inferior ao valor de reposição do edifício entrará em vigor a cláusula de rateio, conforme as condições da apólice”.

 Ela ressalta ainda que é importante que o síndico reporte à seguradora qualquer alteração que ocorra na estrutura do condomínio ou uma aquisição de bem de alto valor que venha influenciar nas coberturas do seguro contratado.

Cuidado com a imagem

Um condomínio com uma imagem boa de segurança é benéfico a todos, pois se tem uma percepção de maior valor do imóvel e um ambiente mais saudável. Isso se valoriza principalmente nos condomínios comerciais, pois o fluxo de pessoas ocorre de forma mais organizada e valoriza as marcas.

Infelizmente, casos de erros e excessos ocorrem, basta lembrar casos recentes de mortes por seguranças em um hipermercado que impactaram na imagem da empresa. Segundo Felipe Bonavite, “para minimizar os riscos desses casos, a terceirizada deve ser bem contratada, caso contrário sua imagem se mistura com a do contratante. Além de ser bem contratada, deve ser bem vigiada, para que não aconteça o que vimos recentemente”. 

Ele complementa que para que a empresa não prejudique a imagem, o melhor caminho é ter compromissos éticos e treinamento e avaliações permanetes, acima de tudo, evitando que essas coisas aconteçam, a empresa sempre vai responder pelos seus empregados, e o contratante sempre vai responder pelo seu contratado em caso de danos a terceiros, então o melhor caminho é o investimento em empresas qualificadas pois elas levam a sua marca.

“Lembro que o melhor gerenciamento de crise é resolver antes de começar. prevenir. mas sendo necessário, agir de forma honesta e direta, tomar medidas rapidamente. Algumas ações que podem ser tomadas é carta de retratação ao público, aos seus moradores em caso de condomínios, efetuar as devidas indenizações e o firmamento social de que vai rever os processos internos, culpabilizar os culpados e acima de tudo evitar essas condutas no futuro”, finaliza o sócio da Bonavite e Carvalho. 

Compartilhe