Marcas e PatentesOs desafios para que uma franquia prosperar

Ter uma franquia vem se tornando o grande desejo de muitos empreendedores, por muitos motivos, dentre os quais se destacam o fato de associar um novo investimento a um modelo que já demonstra resultados e não ter que criar nenhum modelo de negócio. Fato é que o franchising no Brasil cresceu nos últimos 10 anos a taxas bem superiores ao PIB, e a curva de maturidade do setor também vem evoluindo ano a ano.

Segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), o setor de franquias acelerou a trajetória de recuperação no segundo trimestre deste ano frente a igual período de 2021. O faturamento no período foi 16,8% maior. O setor superou em 11,4% o faturamento nominal do 2º trimestre de 2019, período anterior à pandemia.

A Pesquisa Trimestral de Desempenho do setor aponta que a receita passou de R$ 41,140 bilhões para R$ 48,052 bilhões nesse período de 2022. A associação também aponta que, além da recuperação da economia de forma geral, a elevação do faturamento do setor de franquias está associada ao maior fluxo de consumidores nas lojas físicas (inclusive em shoppings centers e outros centros comerciais

Como abrir uma franquia?

Com base nesses dados, o que pode parecer é que abrir uma franquia ou montar um modelo franqueável seja simples, mas é preciso planejamento e conhecimento para o assunto. Alguns segmentos no Brasil utilizaram mais o franchising como estratégia de expansão de seus negócios do que outros e hoje já abrigam um grande número de marcas, como é o caso do setor de alimentação.

No entanto, o Brasil ainda tem muitas regiões em potencial para serem desenvolvidas, e há espaço para novas redes em diferentes mercados. O que se percebe é que, cada vez mais, haverá uma seleção natural das marcas que estão mais bem estruturadas para atuar no franchising.

O sistema de franquias vem chamando a atenção de grandes players da indústria que estão indo para o varejo utilizando um modelo estruturado para operação por um parceiro/franqueado, recebendo todo o apoio para obter sucesso e contribuir com a maior visibilidade da marca. Se tem vários exemplos de sucesso no Brasil, o principal deles é a Hering. Indústrias de calçados, cosméticos e vestuários estão indo na mesma linha.

Atuar no franchising é desafiador. Os empresários que decidem por esse modelo de expansão devem ter uma visão clara de que terão que contar com o engajamento de seus franqueados, da mesma forma que estes devem contar com o apoio e o suporte da franqueadora para que a unidade, sob seu comando, atinja os resultados projetados e que consigam obter retorno do capital investido. A relação deve ser permeada pelo conceito ganha/ganha e de interdependência, e essa visão deve estar clara na mente de ambos, franqueado e franqueador.

O grande desafio do franchising no Brasil é a condição dos empresários-franqueadores de manter a rede competitiva e sobreviver face às intempéries do ambiente econômico do país e das políticas do governo, dado que pouco se conhece desse modelo, que, apesar de tudo, tem permitido que pequenos negócios se destaquem no mercado e, em muitos casos, com um crescimento exponencial.

O sistema cresceu e continuará crescendo, porém, a sua consolidação vai depender de algumas trilhas ligadas à gestão, liderança e capacitação, que precisam ser percorridas por todos.

Auditorias em franquias

Um caminho para que esse modelo de franquias seja realmente potencializado é um forte acompanhamento dos processos, tornando-se interessante até mesmo auditorias em franquias. Segundo José Augusto Barbosa, Sócio da Audcorp, empresa especializada em auditoria, esse trabalho consiste, de forma resumida, no conjunto de procedimentos que tem a finalidade de manter o padrão físico e operacional das lojas, atuando na resolução de problemas e garantindo a qualidade dos produtos ou serviços oferecidos pela rede.

“Desta forma, são fundamentais para propiciar qualidade e padronização da rede em diversos aspectos, tais como a fachada e a decoração das lojas, o atendimento por parte dos colaboradores, a qualidade dos produtos”, explica.

José Augusto complementa que os franqueados devem seguir as diretrizes e regras que caracterizam a identidade da rede, preservando o padrão da franquia, e uma das maneiras de manter esse controle sob a conformidade operacional delas é por meio de auditorias.

Esse processo consiste em vistorias profundas nos processos de cada unidade ou da rede para detectar inconformidades, diagnosticar eventuais problemas, identificando também aspectos a serem objeto de correção e sugestão de possíveis melhorias.

“Por extensão, além de ser um indicativo de que todas as normatizações ou regras estão sendo efetivamente atendidas pelos franqueados, também pode ser utilizada para o aperfeiçoamento dos processos internos ou na resolução de problemas que estejam atrapalhando a operação da loja ou da rede”, detalha o sócio da Audcorp.

As auditorias podem ser subdivididas em mais três tipos: auditoria operacional, contábil e de qualidade.

Auditoria operacional: tem como finalidade realizar a análise envolvendo o funcionamento da empresa em sua rotina diária, tendo como foco a busca de resoluções para problemas de eficiência, otimização e utilização de recursos, principalmente no que concerne à gestão de estoques, ao relacionamento com fornecedores e à prevenção de perdas.

Auditoria contábil: é um processo de análise da situação financeira da empresa, que permite atestar a precisão dos registros contábeis, além de identificar falhas de controle ou mesmo fraudes e irregularidades na gestão. Por suas características, a auditoria é capaz de apresentar ao empreendedor uma opinião embasada sobre a realidade financeira do negócio, com segurança e transparência, permitindo a ele conhecer os problemas, as causas e consequências, além de receber orientações sobre possíveis correções a implantar.

Auditoria de qualidade: tem como premissa a avaliação da qualidade dos produtos comercializados ou serviços oferecidos pela loja ou rede, incluindo as normas de padronização, segurança e vigilância sanitária.

Comunicação é ponto de grande preocupação

Um ponto de padronização em uma franquia que também gera grande preocupação é o relacionado, a comunicação, que precisa ser bastante integrada. “Um grande complicador para as franquias é o que essa empresa quer repassar ao seu público. Essa informação deve ter coerência independentemente da unidade da franquia em que o cliente for atendido. Caso contrário, o negócio tende a perder sua identidade”, informa Paulo Ucelli, sócio da Ponto Inicial Comunicação.

Ele explica que a imagem pela qual a empresa é vista é fundamental nas estratégias para a comercialização de um produto.

Nesse trabalho, é imprescindível uma adequada estratégia de comunicação, que mescle ações de marketing, redes sociais e assessorias de imprensa. Essas devem objetivar tornar a marca relevante e ser vista com credibilidade dentro do mercado.

Mas é preciso padronizar a marca em uma rede de franquias. Hoje com as facilidades das redes sociais e com amplo acesso às estratégias de marketing, os franqueados costumam divulgar materiais que nem sempre passam pela aprovação do franqueador, e isso pode ser fatal para o negócio”, explica Paulo Ucelli.

Problemas assim acontecem porque os franqueados não dispõem das melhores práticas para defender sua imagem. Às vezes falta até mesmo a criação de uma identidade. Lembrando que a marca, a credibilidade e a representação que a central oferece na área de comunicação é a maior garantia de que o franqueado manterá a fidelidade à franqueadora após ganhar a expertise da central.

Franquia e o Registro da Marca

Por fim, em relação às marcas, existe um ponto crucial que é a proteção. “Há uma inevitável relação entre a segurança da franquia de um negócio e o registro dela, que a identifica. Isso porque somente com o registro da marca o franqueado adquire a exclusividade de seu uso e a exploração comercial e, ainda, preserva a imagem do seu negócio”, explica Rosa Sborgia, sócia da Bicudo & Sborgia Marcas e Patentes.

É possível a qualquer empresário ampliar os seus negócios através do sistema de franquias, seguindo as previsões legais. Entretanto, estas mesmas normas preveem a necessidade de uma Circulação de Oferta de Franquia (COF), que deve indicar a situação da marca protegida perante o INPI, visando a segurança do franqueado e a regularidade das operações do franqueador.

Assim, o franqueador deverá indicar se a marca encontra-se em situação de registro concedido ou se o pedido está em andamento.

“Estando a marca em situação de registro concedido, em regra, a segurança jurídica está estabelecida, pois, como dito antes, o franqueador tem o direito exclusivo de uso e de exploração dessa marca no seu segmento empresarial”, complementa Rosa Sborgia.

“Portanto, um dos núcleos do sistema de franquia é a marca, a qual deverá estar em situação regular e, preferencialmente, em estado de registro concedido, assegurando o direito de ambos na exploração da marca, ou seja, para o franqueador lhe dá condição legal de licenciamento da marca ao franqueado por possuir aquele direito exclusivo de seu uso e exploração em determinado segmento empresarial, e a este, franqueado, a condição jurídica de ter o seu negócio em estado de segurança legal, visando evitar prejuízos financeiros no investimento que realizou com o respectivo negócio de franquias, o qual em regra não é barato”, finaliza Rosa Sborgia.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *