SUA EMPRESA TEM UMA OPERAÇÃO SAUDÁVEL

SUA EMPRESA TEM UMA OPERAÇÃO SAUDÁVEL?

SUA EMPRESA TEM UMA OPERAÇÃO SAUDÁVEL?

Sua empresa tem uma operação saudável? Para responder esta pergunta vamos tratar de diferenciar os termos: OPERACIONAL e NÃO OPERACIONAL, o primeiro trata das despesas recorrentes do mês, aluguel, folha, contas de consumo e todas as demais despesas decorrentes de seu respectivo período, o segundo termo abrange todas as demais despesas que não fazem parte da operação, empréstimos bancários, parcelamento com fornecedores e prestadores de serviços e demais compromissos assumidos e não honrados em seus respectivos vencimentos.

Nossa experiência de mercado nos faz afirmar que a maioria das empresas que nos procuram conseguem suprir suas despesas operacionais ou estão bem próximas de conseguirem, o grande problema são as despesas não operacionais, normalmente assumidas em algum momento de sazonalidade onde a operação ficou deficitária e para suprir a deficiência recorreu-se a bancos ou deixou-se de honrar compromissos com parceiros (fornecedores e prestadores de serviços).  

Quando é injetado um valor no fluxo de caixa quer seja através de empréstimos ou quando alongamos um compromisso assumido anteriormente, temos a impressão de que o problema foi sanado, contudo, a curto prazo percebemos que tal fato é ilusório, pois os compromissos mensais (operacionais) juntamente com os parcelamentos assumidos (não operacionais) começam a inviabilizar o dia-a-dia, com isso, inicia-se uma ciranda financeira que a médio prazo pode levar a quebra da empresa. 

Os gestores / empreendedores, na maioria das vezes não sabem o momento exato de parar a operação, seja para reavaliar o seu negócio ou até mesmo encerrar as atividades.

Frequentemente cometem dois grandes erros:

  • Manter a estrutura deficitária. Se o negócio não está saudável não faz o menor sentido continuar a operação, parar, rever e tomar atitudes para romper o déficit é essencial para a perenidade da empresa;
  • Aumento do faturamento independente da lucratividade. As despesas não operacionais devem ser honradas com o lucro do negócio e não com o faturamento mensal, portanto, abrindo mão da lucratividade dificilmente uma empresa deficitária conseguirá ajustar seu caixa.

O passo mais importante para direcionar as ações e sanar o problema é um diagnóstico detalhado de toda operação da empresa e logo após uma negociação a longo prazo com todos os credores, sem exceção.

Administrar o caixa requer equilíbrio, pulso e agilidade, a perenidade do negócio deve ser o foco principal nas tomadas de decisões.

Avante Assessoria Empresarial

Benito Pedro Vieira Santos

Consultor ADM/Financeiro.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *