Saiba o número da aposentadoria sustentável para 2014

Para começar bem 2014, gostaria de responder a uma pergunta que muda a vida das pessoas: qual o número da sua independência financeira? Isso porque a maioria das pessoas nunca parou para pensar em relação a esse tema e, quando conseguem poupar, fazem isso desordenadamente, ficando com um futuro um tanto quanto incerto. Já outras pessoas estabelecem um número qualquer que acreditam ser o ideal e buscam sem nenhuma lógica.

Para reverter essa situação, criei a Fórmula DSOP de Educação Financeira, sendo que, na visão que defendo, primeiro se deve encontrar o número que se pretende atingir e a data desejada para se tornar independente, isto é, a partir desse momento a pessoa trabalhará apenas por prazer, pois seus rendimentos são o bastante para manter o padrão de vida e ainda continuará rendendo.

Assim, o número que a pessoa deverá ter guardado mensalmente terá que proporcionar um ganho mensal do dobro do seu atual padrão de vida, podendo sacar apenas 50% desses juros mensalmente e guardando o restante como reserva acumulada.

A Fórmula DSOP consiste em obter dados pessoais, como a idade desejada para se aposentar e o ganho atual – fatores imprescindíveis para encontrar o número desejado, acumulando uma reserva financeira de, no mínimo, duas vezes o padrão de vida.

Em posse desses dados, deve-se multiplicar a idade do sonho da aposentadoria com o ganho no último ano, o resultado deverá ser multiplicado por 40%, obtendo o valor que deverá ter para aposentadoria, em uma aplicação com rendimento mensal com juros de 0,65% ao mês.

Para chegar a esse valor, utilizei um percentual na conta de 40%, conforme mostrei acima, mas alerto que, nos casos em que as taxas de juros mensais praticadas no mercado forem menores de 0,5%, o percentual de 40% deverá ser aumentado. Para preencher mais facilmente essa Fórmula, a DSOP disponibiliza gratuitamente uma planilha no site www.dsop.com.br.

Pode ser no papel, mas, na prática, as pessoas têm que ter muito claro esse objetivo e se preocupar com outras questões, dentre as quais os investimentos, que devem estar em uma aplicação que nunca tenham rentabilidade menor do que 0,5% ao mês.

Lógico que é importante que a pessoa tenha em mente que esse é um objetivo de longo prazo, que necessitará de muita perseverança para sua realização. Além disso, é importante que os valores sejam revistos constantemente, para que se adaptem a novas realidades financeiras.

Para quem acredita que é impossível guardar os valores sugeridos, lembro que, em quase a totalidade das famílias, existem desperdícios e esses giram em torno de 20% de tudo o que se gasta. Tendo isso em mente, buscando com real convicção os sonhos e adequando o padrão de vida, será possível poupar não só para esse objetivo como para muitos outros que possam surgir.

Reinaldo Domingos é educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e autor – dentre outras obras – do best-seller Terapia Financeira (Editora DSOP).