Pesquisa aponta que brasileiros não sabem comprar – Veja orientações sobre o tema

O brasileiro não sabe fazer compras! Isso pelo menos é o que mostra pesquisa recente do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), na qual 47% dos entrevistados admitiram terem comprado produtos que sequer chegaram a usar. A mesma pesquisa também apontou que 59% dos participantes admitiram ter comprado um produto sem analisar as condições financeiras, apenas pensando que o merece.

“Esses dados demonstram a falta de planejamento e de educação financeira da população, as pessoas não estabelecem prioridades e gastam por impulso, e o resultado disso na maioria das vezes é o endividamento que com o tempo se torna inadimplência, assim temos que mudar nossa forma de comprar”, explica o presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, autor do best seller Terapia Financeira (Editora DSOP).

“Muito se fala em sustentabilidade, consumo consciente, responsabilidade social. Embora venha sendo atribuído a esses conceitos uma dimensão muito mais complexa, na essência eles estão imbuídos do sentido de cuidar para assegurar uma condição melhor para se viver. Então, ensinar as pessoas a administrarem seus próprios recursos e comprarem adequadamente contribui para que elas tomem consciência de que é necessário cuidar bem do que se tem para viver melhor agora e no futuro”, explica Domingos.

Por isso, para o presidente da DSOP, antes de comprar é preciso priorizar primeiramente as compras a vista e fazer perguntas fundamentais:

• Eu realmente preciso desse produto?

• O que ele vai trazer de benefício para a minha vida?

• Se eu não comprar isso hoje, o que acontecerá?

• Estou comprando por necessidade real ou movido por outro sentimento, como carência ou baixa autoestima?

• Estou comprando por mim ou influenciado por outra pessoa ou por propaganda sedutora?

Se mesmo diante deste questionamento, a pessoa concluir que realmente precisa comprar o produto, Reinaldo Domingos explica que seria prudente fazer mais algumas perguntas como:

• De quanto eu disponho efetivamente para gastar?

• Tenho o dinheiro para comprar à vista?

• Precisarei comprar a prazo e pagar juros?

• Tenho o valor referente a uma parcela, mas o terei daqui a três, seis ou doze meses?

• Preciso do modelo mais sofisticado, ou um básico, mais em conta, atenderia perfeitamente à minha necessidade?

Além destas perguntas, antes de comprar também é fundamental pesquisar preço e comprar à vista. Tudo que se compra em prestações paga-se mais caro. Já quem pesquisa o melhor preço paga menos e aumenta a chance de comprar à vista e obter desconto.

“Outro ponto importante é deixar a vergonha de lado e pedir desconto. Se um produto custa mil reais e pode ser parcelado em 10 vezes de 100 reais, certamente à vista custará de 10% a 20% menos”, explica o autor do livro Terapia Financeira.

Com essas reflexões e ações serão reduzidos consideravelmente os gastos desnecessários e o mais importante, se abrirá caminho para a realização dos sonhos que realmente são importantes para você.

Leia também:

– Aumento do IPTU requer melhor planejamento financeiro
– Por que não se endividar no cartão de crédito?
– Saiba qual o melhor tipo de investimento!