Pais e escolas devem ensinar educação financeira para crianças

img-educaçãoDiante de um cenário de consumismo desenfreado, população endividada ou frustrada por não conseguir realizar seus sonhos, inserir a educação financeira na vida de crianças e jovens tornou-se um dos principais desafios das escolas. 

Com certeza os pais também têm seu papel, porém é importante que tenham a escola como aliados na tarefa de educar os filhos e é cada vez maior a preocupação de governos em vários países do mundo em tornar a população apta para tomar decisões de consumo de forma consciente e responsável por meio das escolas. 

Hoje cobra-se de escolas a formação de alunos-cidadãos, autônomos, com visão crítica e capazes de idealizar e realizar projetos individuais e coletivos, assimilando, desde cedo, a importância do equilíbrio financeiro para o bem-estar individual e social. Isso significa que esse tema não é um modismo, e sim um novo desafio global.

Um dos caminhos para escolas educarem financeiramente seus filhos e alunos é se basearem nos pilares da Metodologia DSOP de Educação Financeira – Diagnosticar, Sonhar, Orçar e Poupar. Isso se traduz em estimular as crianças e jovens a identificarem seus sonhos de curto, médio e longo prazos; ensiná-los a investigar quanto custam os seus sonhos e, junto com os pais – que devem saber a equação entre seu orçamento e gastos, calcular quanto seria necessário reservar por semana, mês ou ano – seja da semanada ou mesada ou do orçamento familiar – para que o sonho possa ser realizado.

O antídoto para os possíveis efeitos nocivos do estímulo ao consumo é envolver esses nas decisões familiares sobre os gastos, colocando os sonhos em primeiro lugar. Temos de mostrar que é preciso ter objetivos, fazer escolhas e que nada é mágico, porém, tudo é possível, desde que o dinheiro seja usado com foco e sabedoria.

Dessa forma, habitua-se as crianças e jovens que acordos não significam negação, mas sim negociação. Eles perceberão que é possível ter, porém, nem sempre no momento que se quer. Essa prática também ajuda a aliviar o sentimento de culpa de muitos pais porque, nesse exercício, eles também aprendem a se reeducar financeiramente e deixam de ver o dinheiro – ou o poder de comprar – como uma válvula de escape para suprir lacunas em outros aspectos da vida.

Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da DSOP de Educação Financeira e da Editora DSOP, autor dos livros Eu Mereço Ter Dinheiro, Ter Dinheiro não tem Segredo, Livre-se das Dívidas, Terapia Financeira, da primeira Coleção Didática de Educação Financeira no Ensino Básico, e das séries infantis O Menino e o Dinheiro e O Menino do Dinheiro, todos pela Editora DSOP.

Leia também:

– Portabilidade é alternativa para pagar dívidas

– Profissionais autônomos devem ter cuidado especial com as finanças

– Como lidar com uma criança consumista?