Juros: amigo ou vilão?

Juros é uma palavra encarada de forma negativa pela maioria das pessoas. Quando pronunciada, já suscita à mente assuntos como dívida, inadimplência e prejuízo. No entanto, a ideia se torna equivocada, quando olhamos por outra perspectiva: os juros trabalhando a nosso favor. 

Esta ideia está no livro Verdade Financeira – como utilizar os juros da vida a seu favor, que o educador financeiro Alexandre Damiani está lançando e que muda a forma com que os leitores observam os juros, proporcionando ver o lado positivo dos juros.

Parece difícil, mas não é. Basta mudar o pensamento e o comportamento sobre o uso do dinheiro. Por exemplo: ao invés de escolher parcelar uma compra – que, apesar de muitos estabelecimentos dizerem que não cobram juros, na verdade, o valor já está embutido no preço do produto/serviço –, aplique o dinheiro que possui para que ele renda e você receba os juros, conseguindo fazer a compra à vista.

A notícia de que a Selic pode subir para 9% nos próximos dias traz como consequência a alta do rendimento da poupança para 6,17% ao ano. Os valores só reforçam que, mesmo os investidores mais conservadores – aqueles que preferem aplicar seus recursos em fundos de renda fixa – também conseguem fazer os juros trabalharem a seu favor.

Aproveite o momento e faça, o quanto antes, um diagnóstico da sua vida financeira, saiba quais são os seus gastos e relacione os seus sonhos – de curto (até um ano), médio (até dez anos) e longo (acima de dez anos) prazos. Assim, fica mais fácil saber o valor que deverá ser poupado para a realização dos seus objetivos.

Procure na internet alguns testes para saber qual é o seu perfil de investidor. Dependendo do resultado e das suas metas, o tipo de aplicação será diferente. Para os sonhos de curto prazo, é melhor guardar o dinheiro em uma caderneta de poupança, pois é estável, não conferindo riscos.

Caso sejam de médio prazo, é interessante fazer uma previdência privada, CDB, título do tesouro direto, ouro e/ou, em alguns casos, aplicar nos fundos de renda variável. A vantagem é que, quanto maior o investimento, menor o imposto cobrado.

Agora, se os sonhos estiverem na lista dos de longo prazo, avalie utilizar seus recursos para fazer uma previdência privada ou ainda comprar ações na Bolsa de Valores e títulos de tesouro direto. No entanto, para esses, ressalto que é importante a ajuda de um especialista, visto que o risco de erro/perda é maior.

 

Leia também:

– Aumento da rentabilidade da poupança – Veja se esse é o melhor investimento!

– Como lidar com uma criança consumista?

– Com carteira organizada controle das finanças é maior