Gestão De Tecnologia

Internet das coisas: um caminho para empresas investirem

Muito tem se falado sobre a modernidade e um dos pontos que vem se destacando é, com certeza, a chamada Internet das Coisas (IoT). Em constante avanço, essa novidade pode gerar grandes resultados para empresas.

Como explica Sidirley Fabiani, CEO e fundador da Gestiona Inovação Tecnológica, muitas empresas já observaram o ganho que podem ter com esse tema. “55% das empresas desejam investir cerca de 5% de seu faturamento exclusivamente nesse tipo de tecnologia. Apenas computação em nuvem e soluções móveis recebem mais investimentos do que IoT atualmente dentro das organizações”, explica.

Para essas empresas, um fator que vem se tornando grande aliado é a Lei do Bem, que possibilita direcionar parte dos impostos para esse fim. Veja a entrevista com Sidirley sobre esse tema e como é possível usar a legislação a favor de investimentos:

O que é Internet das Coisas?

R: Podemos dizer que são aparelhos diferentes que se conectam entre si e podem ser operados a partir de um dispositivo conectado à Internet, como um smartphone ou telefones inteligentes. Isso é conhecido como a Internet das Coisas e consiste em conectar todos os tipos de objetos à Internet, o que lhes permite sincronização entre si, podendo ser usados remotamente. É uma conexão entre o mundo digital e o mundo físico.

Por exemplo: um tênis pode se conectar à Internet para armazenar dados como o número de passos dados e, se você tiver um smartphone com acesso à Internet, poderá ver seu progresso. Toda essa informação gravada é analisada para lhe dizer quantas calorias você queimou, dar-lhe conselhos personalizados sobre a sua corrida e muito mais.

Como ela está mudando o nosso mundo?

R: Existem praticamente dois cenários que podem ser avaliados frente a transformação digital provocada pela Internet das Coisas. O primeiro diz respeito à facilidade de coletar informações e transformá-las em dados úteis para um determinado setor ou equipamento de trabalho. Já o segundo cenário diz respeito à substituição das operações feitas por seres humanos, por dispositivos tecnológicos.

Apesar de serem transformações que causam impacto, elas não têm como objetivo essa substituição, mas sim o aperfeiçoamento de determinadas tarefas no ambiente de trabalho, tornando as informações, de uma forma geral, mais fiáveis e assertivas.

Por isso os especialistas afirmam tratar-se de mudanças necessárias e benéficas, para os profissionais, os investidores, stakeholders e clientes finais.

Cite exemplos de tecnologias relacionadas a esse tema

R: Os dispositivos vestíveis, como relógios inteligentes, acessórios com sensores e fones de ouvido para monitoramento de exercício estão sendo mais amplamente adotados e usados pelas pessoas. Estes objetos são clássicos exemplos de dispositivos conectados que integram a Internet das Coisas. Geladeiras que informam a data de validade dos produtos ou qual alimento está para acabar são outro bom exemplo desta tecnologia.

E para empresas, como isso pode ser uma fonte de lucros?

R: Um estudo realizado pela International Business Machines (IBM) com executivos de empresas de todo o mundo apontou que a expectativa, em um prazo de três a cinco anos, é de que os negócios sejam revolucionados pela tecnologia de Internet das Coisas. Além disso, 55% das empresas desejam investir cerca de 5% de seu faturamento exclusivamente nesse tipo de tecnologia e apenas computação em nuvem e soluções móveis recebem mais investimentos do que IoT atualmente dentro das organizações.

Mais que uma pequena demonstração da importância que a IoT tem para as empresas, esses dados reforçam a ideia de que essa tecnologia se tornou uma oportunidade concreta de realização de novas formas de negócios. Aliada a ferramentas de Big Data, a Internet das Coisas tem possibilitado a geração de novas fontes de receita para as organizações, como a geração de dados, transformação desses dados em informações úteis e aplicações para os usuários finais, sejam eles pessoas ou organizações.

É interessante investir nesse tipo de conhecimento?

R: Pesquisas recentes realizadas pela IBM revelam que apenas 25% das empresas — localizadas em mais de 70 países verificados — investem em soluções IoT. Esses dados mostram o tamanho da oportunidade e do campo a ser explorado. Aproveite-a e sua empresa poderá destacar-se nessa área, projetando-se na vanguarda tecnológica de seu segmento com soluções IoT.

Como a Lei do Bem pode dar fôlego para as empresas que desenvolvem esse tipo de tecnologia?

R: A Lei do Bem visa com que as empresas obtenham um “ganho de caixa”, quando investem em tecnologia e inovação. Dessa forma elas podem investir em novas tecnologias como a Internet das Coisas, para que se tornem ainda mais competitivas no mercado em que atuam.

Como usar a Lei para desenvolver uma ideia?

R: Os valores economizados pelas empresas com a Lei do Bem podem ser reinvestidos em desenvolvimento e inovação de novas tecnologias nas empresas. O capital humano pode ser ampliado com novos pesquisadores, que irão dar mais embasamento aos novos projetos e poder lançar novos produtos, tornando a empresa cada vez mais competitiva no mercado nacional e internacional.