Business, Technology, Internet And Office Concept - Smiling Business Team With Smartphones In Office

Etiqueta empresarial: cuidado para não prejudicar o emprego

Uma coisa ficou clara nas as últimas eleições no Brasil: grande parte dos brasileiros ainda não sabe utilizar as redes sociais de forma educada. Muito pelo contrário, boa parte do que foi observado se aproximou a um show de horrores.

Diversos limites são ultrapassados pela falta de noção de uso das redes sociais – o que pode ser explicado por vários fatores. O principal tende a ser o fato de que essas tecnologias são recentes e as pessoas ainda não estão habituadas com costumes e padrões, como em outros espaços de socialização. Não faltaram relatos de familiares e amigos que deixaram de se falar por conta de brigas.

O pensador Humberto Eco afirmou antes de sua morte: “As mídias sociais deram o direito à fala a legiões de imbecis que, anteriormente, falavam só no bar, depois de uma taça de vinho, sem causar dano à coletividade. Diziam imediatamente a eles para calar a boca, enquanto agora eles têm o mesmo direito à fala que um ganhador do Prêmio Nobel. O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”.

Lógico que o pensador se exacerbou em sua afirmação, contudo, muitas vezes o sentimento após ler uma postagem é de indignação sobre como as pessoas conseguem se manifestar de formas tão exacerbadas. E talvez principal problema seja que o uso indiscriminado das redes sociais pode afetar a pessoa em vários aspectos, inclusive em sua carreira.

Grande peso profissional

Muitos enxergam as redes sociais apenas como uma ferramenta de descontração, o que não está errado, desde que sejam tomados os devidos cuidados. Contudo, uma boa parcela, mais antenada, já percebeu que o uso adequado dessas ferramentas de comunicação pode potencializar as carreiras, promovendo o crescimento profissional e o network.

“As áreas de Recursos Humanos das empresas, para o bem e para o mal, estão antenadas nas redes sociais. Elas estão de olho no que os colaboradores e candidatos postam, e vão utilizar essas informações da hora de contratar ou demitir uma pessoa”, afirma Celso Bazzola, da Bazz Estratégias de Recursos Humanos.

No universo online são necessários muitos cuidados, similares aos tomados no dia a dia em passeios, no trabalho ou em casa. O recomendável para se valorizar é dar foco adequado ao que é positivo e evitar exposições desnecessárias.

Como usar de forma inteligente

O Grupo Alliance convidou especialistas que fazem parte da associação para falar sobre o tema. Entre eles o especialista em recursos humanos Celso Bazzola. Que passou algumas orientações para não ter problemas nas redes sociais e utilizá-las para crescer profissionalmente, especialmente as redes como WhatsApp, LinkedIn, Instagram e Facebook. Confira:

  1. Perceba que limites são necessários – no universo online, os valores devem ser os mesmos do mundo real. Muitas pessoas estão descobrindo essa realidade agora e acham que não existem leis, contudo, não é bem assim. Por isso, os cuidados devem ser similares aos que tomamos diariamente, em nosso dia a dia.
  2. Foque no positivo – muitas pessoas debatem problemas dos outros nas redes sociais. Não seria melhor defender as qualidades? O recomendável é valorizar e dar foco adequado ao que é positivo e evitar exposições desnecessárias.
  3. Evite brigas e debates políticos, religiosos ou por qualquer tema – emitir opiniões não tem problema, contudo, em tempos de polarização, vemos muitas brigas e exposições desnecessárias. É importante ponderar que dificilmente mensagens em redes sociais mudarão as opiniões de pessoas, muito pelo contrário. Tais mensagens podem até se tornar vetores de ódio.
  4. Respire fundo antes de responder – ao ver uma mensagem, não precisa responder imediatamente, principalmente se estiver nervoso. Você pode até escrever o que pensa, mas deixe para enviar quando estiver mais calmo/a, após reler com cautela. Na maioria das vezes, perceberá que a resposta era desnecessária ou descabida.
  5. Fuja das fake news – evite ser um replicador de informações falsas. Atualmente, estão se multiplicando informações que não condizem com a verdade, portanto é preciso ter cuidado ao enviar informações que recebe sem conferir a fonte. Ao curtir uma página ou participar de uma comunidade, pesquise antes, evitando as que incitam ódio ou preconceito.
  6. Não faça para o outro o que não quer para você – antes de expor qualquer pessoa, pense bem: como se sentiria na posição do outro na hora que receber a mensagem? Se a pessoa te ofendeu, uma alternativa pode ser responder em particular, estabelecendo um limite na exposição.
  7. Lembre-se, política passa – o momento político atual irá passar, mais cedo mais tarde, e teremos que nos adequar a uma realidade definida democraticamente. Assim, pense se vale a pena se desgastar com as pessoas por causa da política. Lembre-se: opiniões podem ser diferentes, sem interferir no respeito e no afeto.
  8. Amplie seus contatos qualificados – é interessante ter um amplo grupo de amigos, portanto busque amizade online com pessoas que tenha contato e considere interessantes profissionalmente. Contudo, se preocupe mais com a qualidade do que com a quantidade, não precisa ir convidando todo mundo que conhece ou que é “amigo do amigo”, pois isso pode não soar bem.
  9. Valorize suas conquistas profissionais – mostre ações que realizou que tiveram sucesso, resultados de projetos que foram interessantes ou titulações alcançadas, contudo, evite se autopromover demasiadamente, pois isso pode soar arrogante. E busque, com permissão prévia, marcar as pessoas que estavam envolvidas nos trabalhos, de forma elegante, pois isso aumenta a sua visibilidade.
  10. Publique com inteligência – nas redes sociais, há diversas publicações vazias. Busque se diferenciar com posts pertinentes. Evite informações irrelevantes, que possam até mesmo atrapalhar a construção da sua imagem. Busque levantar assuntos relacionados ao seu campo de atuação.
  11. Evite debates inúteis – nas redes sociais há momentos tensos, de debates políticos, religiosos e outros. Mas, por mais que queira dar sua opinião, evite entrar nesse tipo de conversa polêmica. Repare que geralmente elas não levam a lugar nenhum e não terminam bem, sem contar que você não conhece o posicionamento de seus parceiros de negócios, atuais e futuros.
  12. Cuidado com as características das redes – por mais que o LinkedIn seja voltado para o universo profissional e o Facebook mais para o universo pessoal, não trate a segunda rede com desleixo. Afinal, parceiros e recrutadores também estão nela.
  13. Pense antes de clicar – antes de curtir e compartilhar um texto, leia atentamente para ver se não há nada polêmico nas entrelinhas. Ao curtir uma página ou participar de uma comunidade, procure saber sobre o que realmente se trata, evitando temas polêmicos ou que incitem ódio ou preconceito.
  14. Evite situações não profissionais – multiplicam-se fotos de baladas, roupas de banho e bebedeiras nas redes. Será que é interessante? Não cabe a ninguém julgar o estilo de vida das pessoas, mas se expor de forma inadequada pode trazer consequências negativas para a imagem de um profissional. Todos são avaliados, direta ou indiretamente, por seus contatos nas redes. E não adianta bloquear o acesso de determinadas pessoas em suas fotos nas redes sociais, pois outras podem compartilhar tal foto, fazendo com que seu cuidado tenha sido em vão.

Uso de ferramentas em empresas

Os problemas com novas tecnologias vão muito além do que se posta nas redes sociais. Dificilmente se encontra um profissional que não participou de reunião na qual parte dos participantes dava mais atenção aos seus smartphones do que aos conteúdos tratados. Assim, outro problema que a empresa tem que enfrentar é ter colaboradores com vício nesse equipamento. A situação é realmente preocupante, sendo que esse problema já vem sendo considerado uma patologia reconhecida pela psiquiatria, com a existência de clínicas especializadas em tratamento em países como Estados Unidos, Coréia do Sul e China.

Para as empresa, esses abusos se tornaram um grande problema, de solução muito difícil, sendo que cada vez mais se tem dificuldade de bloqueio, já que, hoje, não adianta proibir smartphones ou a área tecnológica da empresa bloquear no computador o acesso a sites não relevantes ao trabalho do profissional. As pessoas conseguem achar formas de burlar.

O caminho é a educação ou até mesmo proibir essas ferramentas em reuniões ou no ambiente de trabalho. Lembrando que, por mais que o colaborador conteste, essa proibição de smartphone tem respaldo legal. Contudo, não significa necessariamente que seja uma decisão inteligente.

É fundamental uma reflexão, tanto do empregado, quanto do empregador. É válido ter em mente que existem casos que comprovam que o uso do celular durante o trabalho pode trazer diversos problemas, como acidente de trabalho, vazamento de documentos confidenciais, perda de produtividade etc.

“Cada situação deve ser tratada individualmente. Existem casos em que a proibição de smartphone se justifica, por motivos variados, como o próprio zelo pela vida do trabalhador. Já em outros, essa medida se mostrará altamente impopular, podendo ocasionar até mesmo ‘rebeliões’, que prejudicam ainda mais a produtividade”, explica o advogado Mourival Ribeiro, sócio da Boaventura Ribeiro Advogados.

Ponto importante é que, por mais que o assunto deva ser debatido entre as áreas e principalmente entre os gestores, no ambiente do trabalho o empregador tem poder diretivo, ou seja, ele tem a palavra final sobre as regras a serem seguidas, desde que não ocorram abusos.

Mas, como usar?

Se a empresa não proíbe o uso, cabe ao empregado se policiar para não abusar e diminuir sua produtividade por conta dos smartphones. Algumas dicas simples podem ser seguidas para evitar que isso ocorra:

  1. Use com moderação – selecione um horário para olhar e responder suas mensagens pessoais, silencie os grupos de conversas e use as chamadas apenas para assuntos urgentes.
  2. Deixe no vibra ou silencioso – nada mais inconveniente do que estar concentrado no trabalho e, de repente, ouvir uma música. Por isso, ao chegar ao trabalho, coloque o celular no modo vibra ou mesmo sem som.
  3. Durante as reuniões, mantenha o celular desligado – nesses momentos, sua atenção precisa estar voltada aos assuntos discutidos, então evite qualquer tipo de distração ou interrupção.
  4. Guarde os segredos da empresa – isso é regra em muitas fábricas, que não podem mostrar os seus segredos industriais para os concorrentes. Mesmo que não seja, evite fotografar ou filmar os colegas, documentos e instalações.
  5. Tenha bom senso – no caso de emergências ou demandas do próprio trabalho, avise sobre a necessidade. Todos vão compreender que o uso do smartphone é necessário naquele momento e que não está atrapalhando a produtividade ou a segurança de ninguém.

 

Tecnologia para o bem ou para o mal?

Ponto fundamental da relação do homem com essas novas tecnologias é que, em uma visão simplista, muitos buscam apenas direcionar a culpa dos novos problemas aos equipamentos e ferramentas. Falta a percepção e responsabilização das pessoas por sua parcela de culpa.

Assumir esse comportamento é o mesmo que colocar a culpa de um homicídio na faca que feriu alguém fatalmente, soa ridículo. Logo, o caminho para o uso dessas ferramentas parte do conceito de limites, que devem partir do respeito a sua imagem e a do outro, e também do saber que o mundo não é apenas tecnologia, mas também relações físicas e reais. Pelo menos, por enquanto.

Conheça o Grupo Alliance e veja os benefícios para sua empresa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *